Tag Archives: Dica Cultural

Corpórea Companhia de Corpos estreia espetáculo “Lôas” com temporada na periferia de São Paulo

De 09 a 11 de dezembro de 2021, a Corpórea Companhia de Corpos estreia seu novo espetáculo “Lôas” como parte das ações do projeto “Fomentar Trajetórias: Movimentos Femininos em Recintos Femil(s)” contemplado na 29ª edição do Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo.

Foto Sergio Fernandes

Nos dias 09 de dezembro (quinta-feira), às 20:00, e 10 de dezembro (sexta-feira), às 10:00 e 20:00, as apresentações serão realizadas no CEU Vila do Sol, que fica na Avenida dos Funcionários Públicos, 369 – Vila do Sol, na Zona Sul de São Paulo.

Em 11 de dezembro (sábado), às 15:00 e 17:00, as apresentações serão no CDC SAJU, que fica na Rua Franklin Távora, 433 – Campo Limpo, também na Zona Sul de São Paulo.

O espetáculo “Lôas” apresenta o entrelaçamento da trajetória de seis mulheres em uma embarcação, que navegam por um oceano composto por suas próprias vivências e memórias. Em um contínuo movimento pendular, as histórias que elas têm para contar transmutam de seus corpos através da leveza, da tensão, da respiração, da gradação e do tremor. 

Nestes percursos transatlânticos, que remetem às resistências históricas diante do tráfico de pessoas africanas escravizadas no Brasil realizado em navios negreiros e traçam um paralelo com a atual problemática da mulher negra diante do racismo estrutural, essas mulheres recriam sonoridades, gestualidades e imagens, que confluem na celebração de suas existências, convocando sua força a partir daquilo que vivem no presente.

“Mulheres negras como protagonistas de seus corpos, de suas cenas, de suas histórias, propondo entre si e ao público, a experiência de habitar a ancestralidade pelas vias físicas do corpo”, comenta o coletivo que tem como fundadores Verônica Santos e William Simplicio

A centralidade poética da obra está na transposição do sentido histórico que chega aos dias atuais através das questões que permeiam as mulheres negras e seus corpos, e que revelam, ao mesmo tempo, a presença da resistência delas. E faz um mapeamento corporal a caminho da ancestralidade que acontece no tempo presente, esvaindo-se da ideia de que a ancestralidade se encontra apenas no passado e por isso marcada apenas por pontos doloridos, como a escravidão. 

As intérpretes experienciam dançar suas memórias, corporificando sensações ao compartilhar suas estratégias de travessia. Uma performance que exalta a corporeidade assumindo a dimensão de potência significativa para identidade negra no Brasil. 

“O corpo como um mapa que nos direciona. A ancestralidade que flui através dos nervos, da carne, da pele, da lágrima, da saliva. É como se, através dos poros que se abrem, essa ancestralidade viesse à tona para direcionar o nosso olhar adiante”, comenta o coletivo. 

Diante do momento complexo vivido em razão da pandemia da COVID-19, em que o setor cultural precisou se adaptar às telas e o coletivo viveu uma experiência coletiva de contato com a morte, a Corpórea Companhia de Corpos propõe uma experiência coletiva de renovação. 

“Um espaço pensado e criado para que as pessoas tenham experiências de seus corpos com outros corpos. Com Lôas, propomos uma experiência física pessoal para acessar a ancestralidade e propomos que o público também faça parte disso”, finaliza o coletivo. 

Com uma trajetória significativa no campo da pesquisa, criação, pensamento e difusão da dança, a Corpórea Companhia de Corpos, desde sua criação em 2015, vem aprofundando sua pesquisa no cotidiano através do corpo feminino, pensando o protagonismo da sua existência como atravessamento dos tempos no mundo atual.

Com o espetáculo “Rés”, que estreou em 2017, a companhia denunciou a realidade de corpos femininos em situação de cárcere. A montagem recebeu uma indicação ao Prêmio APCA na categoria “Não estreia”, em 2019. A pesquisa deste trabalho rendeu ainda a contemplação no Edital Rumos 2017/2018 do Itaú Cultural, com o projeto: Ocupação Rés – mulheres em Cárcere.

Mais informações em www.corporeacompanhiadecorpos.com e @corporeacompanhiadecorpos

SERVIÇO: Estreia espetáculo “Lôas”

Com Corpórea Companhia de Corpos

Sinopse: Seis artistas, em uma mesma embarcação, cruzam trajetórias em contínuo movimento. Nesta experiência de dançar memórias, corporificam sensações ao compartilhar suas estratégias de travessia. Em um oceano de vivências, o pendular de seus corpos transmuta em leveza, tensão, respiração, gradação e tremor, as histórias que têm para contar. A partir de percursos transatlânticos, re-criam sonoridades, gestualidades e imagens que confluem na celebração de existir. Duração: 50 minutos

Classificação: 14 anos – Grátis

Apresentações no CEU Vila do Sol

Endereço: Av. dos Funcionários Públicos, 369 – Vila do Sol, Zona Sul, São Paulo – SP, 04962-000 – Telefone: (11) 3397-9800

Quando: 09 de dezembro de 2021 (quinta-feira) – Horário: 20:00

10 de dezembro de 2021 (sexta-feira) – Horários: 10:00 e 20:00

Apresentações no CDC SAJU (Clube da Comunidade Saju)

Endereço: R. Franklin Távora, 433 – Campo Limpo, Zona Sul,  São Paulo – SP, 05794-270

Quando: 11 de dezembro de 2021 (sábado) –  Horários: 15:00 e 17:00

Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini – Cel (11) 99568-8773 – lucigandelini@gmail.com

Cia. Mundu Rodá celebra 20 anos com mostra de repertório presencial em sua sede no Ipiranga

A Cia. Mundu Rodá abre sua sede, a Casa Mundu Rodá, que fica na Rua Southey, 106, Ipiranga, São Paulo-SP, para celebrar vinte anos de história com uma mostra de repertório. 

Foto Ricardo Avellar

Respeitando os protocolos de segurança, o grupo promove apresentações presenciais de três espetáculos diferentes com ingressos gratuitos, que poderão ser reservados por email  munduroda20anos@gmail.com, além de bate-papos sobre experiências criativas traçadas ao longo das andanças pelos rincões do Brasil e no mundo. De 10 a 12, as apresentações serão com tradução em Libras. 

Nos dias 09 e 10 de dezembro (quinta e sexta-feira), às 20:00, o grupo apresenta “Memórias da Rabeca”, espetáculo solo executado pelo artista Alício Amaral que traz à tona histórias e personagens à margem da sociedade através de memórias guardadas por sete rabecas.

Inspirado na obra de poetas e rabequeiros como Cego Oliveira, Cego Aderaldo e Cego Sinfrônio, Seu Nelson (AL) e Fabião das Queimadas (1848-1928), o espetáculo é fruto de uma pesquisa artística e histórica sobre rabequeiros que marcaram a música e a poesia no Brasil. O grupo realizou intercâmbios com rabequeiros da Cultura Caiçara, Quilombola e Indígena do Litoral Paulista, além da pesquisa de campo continuada com rabequeiros de Pernambuco, Alagoas e Rio Grande do Norte.

No dia 11 de dezembro (sábado), às 20:00, é a vez do espetáculo “Donzela Guerreira”, que conta a história de uma jovem que se disfarça de homem para seguir em combate no lugar do pai, mas acaba se apaixonando por seu Capitão. Uma personagem presente em muitas culturas e civilizações, não apenas na literatura dita como oficial (Mu-lan, Electra, Diadorim), mas também na de cordel (Teodora), em romances de tradição oral (Don Varão, Maria Gomes), na mitologia (Palas Atena, Iansã), na História (Joana D’Arc, Maria Quitéria, Santa Dica) e na música erudita (Il combattimento di Tancredi e Clorinda – Monteverdi). 

O espetáculo não só representa a vida de uma donzela que vai à guerra, mas propõe uma reflexão sobre o gênero e sobre o amor, em uma abordagem ampla e aberta, convidando o espectador a participar ativamente na construção da narrativa, preenchendo as lacunas e criando sua própria interpretação. 

Encerrando a Mostra, no dia 12 de dezembro (domingo), às 16:00, o espetáculo infantil “Vida de cão, coração de herói” conta a saga de um cãozinho corajoso que ao sobreviver ao rompimento da barragem na região de Mariana-MG, sai em busca de sua família, navegando entre surpresas e aprendizados.

Com leveza e poesia, o espetáculo conta a história de um cãozinho vira-lata que em seu “barco” improvisado, o Titanica, se aventura pela lama que cobriu sua casa e toda sua vizinhança para procurar sua família, da qual ele acabou se perdendo durante a fuga. Nessa grande e inusitada jornada, o cão chega ao Rio Doce, onde conhece vários personagens que irão tentar ajudá-lo a alcançar o seu objetivo. 

A história é baseada no rompimento de uma das barragens da mineradora Samarco, localizada no município de Mariana-MG, em 05 novembro de 2015. Um dos maiores desastres ambientais ocorridos no mundo, que além de devastar a comunidade rural de Bento Rodrigues com uma avalanche de rejeitos de minérios de ferro, produziu uma lama tóxica soterrou plantas, animais e toda vida aquática por onde passava, chegando até a foz do Rio Doce, invadindo o mar na cidade de Regência, no Espírito Santo.

Com músicas, animações e um cenário marcante, em “Vida de cão, coração de herói” a Cia. Mundu Rodá mergulha no universo infantil e convida crianças e famílias a refletirem sobre o meio ambiente e a importância do cuidado com a natureza, em uma história de superação, coragem e esperança.

Com vinte anos de estrada, a Cia Mundu Rodá (SP), fundada por Juliana Pardo e Alício Amaral, vem construindo uma linguagem cênica própria a partir da observação, do contato e do diálogo com as Danças Tradicionais Brasileiras e o Trabalho do Ator/Músico/Bailarino.

Ministrando aulas, oficinas, preparações e com nove espetáculos no repertório: Donzela Guerreira (2007); Sambada de Reis (2005); Estrada (2010); Memórias da Rabeca (2017); Show Rabeca Primeira Sonora (2018); Figuras Inesperadas (2018); Vida de Cão, Coração de Herói (2019); Arigós -Bandeira, Espinha-de-Peixe, Cara-de-Gato (2020), Ecos das Margens (2021), o grupo já viajou para os rincões do Brasil e para países como China, Dinamarca, França, Inglaterra, República Tcheca, Itália e Portugal

As ações fazem parte do projeto Mundu Rodá 20 anos: Criação e Pedagogia – Uma História Vivida com as Artes Cênicas nicas Brasileiras contemplado no Edital Proac Expresso Lei Aldir Blanc 47/2020

Mais informações em:  www.munduroda.com / Facebook: Mundu Rodá / Instagram: @munduroda

SERVIÇO: Mostra II de Repertório Cia. Mundu Rodá 20 anos

Temporada: 09 a 12 de dezembro de 2021

Onde: Casa Mundu Rodá – Endereço: Rua Southey, 106, Ipiranga, São Paulo – SP, 04276-080

Capacidade: 20 lugares –  Reserva de ingressos por e-mail: munduroda20anos@gmail.com

Acessibilidade: Tradução simultânea em Libras nas apresentações dos dias 10, 11 e 12 de dezembro

Bate-Papo: após cada apresentação haverá um bate papo do público com a Cia. Mundu Rodá

Classificação Livre – Grátis

Programação: 

Quando: 09 e 10 de dezembro de 2021 (quinta e sexta-feira) – Horário: 20:00

Espetáculo: “Memórias da Rabeca”

Sinopse: Espetáculo-solo que revela memórias guardadas por sete rabecas, trazendo à luz histórias e personagens à margem da sociedade. Memórias que ecoam e atravessam os tempos e seus guardiões – os rabequeiros brasileiros – colocando em foco dinâmicas das relações entre o humano e a rabeca. Um convite para o encontro com a multiplicidade do universo da rabeca. A rabeca torna-se a voz, os pés e as mãos do ator que a toca, e o ator torna-se a vibração de suas cordas e sua música. Duração: 60 minutos

Acessibilidade: Tradução simultânea em Libras na apresentação do dia 10 de dezembro

Quando: 11 de dezembro de 2021 (sábado) – Horário: 20:00 

Espetáculo: “Donzela Guerreira”

Sinopse: Amor impossível, revelação tardia e saudade incomensurável. Uma jovem que se disfarça de homem para seguir em combate no lugar de seu velho pai, representando o único filho varão da família e, já como soldado, se apaixona por seu Capitão e este por ela. Sem revelar sua verdadeira identidade, Donzela e Capitão travam suas próprias batalhas, colocando à prova seus princípios, sentimentos e desejos. Duração: 60 minutos

Acessibilidade: Tradução simultânea em Libras

Quando: 12 de dezembro de 2021 (domingo) – Horário: 16:00 

Espetáculo: “Vida de cão, coração de herói”

Sinopse: O rio que era Doce, azedou… Pense num cachorro manso, brincalhão, que adorava sua dona e que vivia num vilarejo bonito e tranquilo. Pensou?!?! Agora, pense numa onda gigante de lama tóxica inundando esse povoado e deixando o bichinho sozinho. Deu ruim, né? É assim que começa essa estória. Sem sinais de resgate, o esperto vira-lata decide embarcar numa poltrona toda destruída e navegar pelo Rio Doce em busca da sua família da espécie “gente”: uma viagem pelo leito contaminado repleta de surpresas, emoção e aprendizagem. Até onde vai essa aventura enlameada? Duração: 60 minutos

Acessibilidade: Tradução simultânea em Libras

Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini – Cel (11) 99568-8773 – lucigandelini@gmail.com

Cia Tu Mateixa Marionetes estreia espetáculo “Gabinete de Curiosidades” em formato virtual

De 08 a 24 de outubro de 2021, a Cia Tu Mateixa Marionetes, criada pela marionetista, palhaça, atriz e produtora Júlia Barnabé, realiza a temporada virtual de estreia de seu novo espetáculo “Gabinete de Curiosidades”. As apresentações são gratuitas e serão realizadas no Youtube da Cia Tu Mateixa

Foto Carla Candiotto

No dia 08 de outubro (sexta-feira), às 20:00, a apresentação também acontece nas redes sociais do Centro de Memória do Circo de São Paulo. Em 09 e 10 de outubro (sábado e domingo), às 16:00, as apresentações serão no Facebook do Teatro Alfredo de Mesquita. Nos dias 16 e 17 de outubro (sábado e domingo), às 16:00, o público poderá conferir as apresentações no Facebook do Teatro Paulo Eiró. E no dia 24 de outubro (domingo), às 16:00, no Facebook do Centro Cultural Vila Guilherme (Casarão).

Criado em parceria com Rocío Walls, da Na Cia das Marionetes, “Gabinete de Curiosidades” é um espetáculo de marionetes de fios que tem como temática o tempo, com uma história que se passa dentro de um relógio. Diversas personagens vivem o exato instante em que as engrenagens param e a partir disso, coisas muito curiosas passam a acontecer. 

Marionetes-relógios, um mago feiticeiro, uma funambulista, uma trapezista, uma palhaça de monociclo e um conjunto de bailarinas, ganham vida através das mãos das marionetistas em cenas cômicas, circenses e líricas, se relacionando de maneira real e emocionante, convidando o público a entrar em uma brecha do tempo, onde o extraordinário é possível. 

“O espetáculo proporciona uma reflexão sobre as novas dimensões e formas de sentir o tempo em nossas vidas hoje em dia. Esse encontro com a ludicidade das marionetes é capaz de parar o tempo por alguns instantes e fazer até as pessoas com mais idade voltarem a ser crianças”, comentam as marionetistas, que construíram as 14 marionetes que compõem a peça.

A trilha sonora original, inspirada em ritmos balcânicos e composta pelos musicistas Danielle Siqueira, Danilo Rodrigues e Domingo Duclos, traz uma atmosfera cigana para a obra em que duas excêntricas inventoras abrem seu pequeno gabinete de curiosidades e apresentam peculiares bonecos de madeira. 

“O termo gabinete, que deriva do francês cabinet, remete ao “quarto das maravilhas”, lugar onde se guardam coisas preciosas, sejam concretas ou simbólicas”, explica a cia. 

A direção do espetáculo é de Carla Candiotto, premiada atriz e diretora com cinco prêmios APCA, oito Prêmio São Paulo de Teatro Infantil e Jovem (antigo Coca Cola Femsa) e um Prêmio Governador do Estado para a Cultura, que já atuou e dirigiu espetáculos em diversos países da Europa, além de China e Austrália, e é cofundadora e co-diretora da Cia Le Plat Du Jour.

A Cia Tu Mateixa Marionetes foi criada a partir da união entre as linguagens de bonecos, teatro físico, circo e humor. A Cia. leva o nome catalão “tu mateixa”, que significa “você mesma”, pois as marionetes e a cenografia são construídas à mão, em madeira, pela artista Júlia Barnabé, que também assina a dramaturgia autoral de seus espetáculos.

Desde que estreou seu primeiro espetáculo em 2016, a companhia circulou por diversos festivais de teatro e circo em mais de dez países entre América Latina, Europa, Ásia e África. 

Em 2019, Júlia Barnabé iniciou a parceria com a marionetista argentina Rocío Walls. As artistas realizaram temporada na Europa com seus espetáculos solos, desenvolveram oficinas de construção de marionetes e fundaram o Atelier das Marionetes Viajantes, em São Paulo, onde construíram cerca de 25 marionetes nos últimos dois anos. 

As ações fazem parte do projeto “Circo das Marionetes Viajantes”, da Cia Tu Mateixa, contemplado no edital de Fomento ao Circo da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo.

FICHA TÉCNICA: Concepção geral, confecção e manipulação de marionetes: Júlia Barnabé e Rocío Walls | Direção: Carla Candiotto | Dramaturgia: Júlia Barnabé, Rocío Walls, Carla Candiotto | Trilha Sonora Original: Danielle Siqueira, Danilo Rodrigues e Domingo Duclos | Cenografia: Pierre Franclet, Eduardo Salzane, Valentin Fileteado, Júlia Barnabé e Rocío Walls | Figurinos: Elisa Rossin | Costureira: Ateliê Belas Modas  | Adereços de figurinos e cenário: Laura Alves – Ateliê Clã das Cores | Fotos e Vídeo: Marina Decourt – Multiversos Audiovisual | Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini | Produção Executiva: Carolina Dias – Femi Produções | Produção Geral: Cia. Tu Mateixa Marionetes

SERVIÇO: Temporada de Estreia “Gabinete de Curiosidades” 

Com Cia Tu Mateixa Marionetes

Sinopse: Dentro das engrenagens de um relógio, diversas personagens acompanham a passagem do tempo. Marionetes-relógios, um mago feiticeiro, uma funambulista, uma trapezista, uma palhaça de monociclo e um conjunto de bailarinas que parecem ter vida própria. E é no exato instante em que o tempo para, que coisas muito curiosas acontecem. Entre cenas cômicas, circenses e líricas, as marionetes se relacionam de maneira real e emocionante, convidando o público a adentrar no tempo do devaneio.

Duração: 30 minutos – On-line – Grátis – Classificação Livre

Onde assistir: www.youtube.com/channel/UC1jhTMaf5RbHdCCne1hazEA

Quando: 08 de outubro de 2021 (sexta-feira) – Horários: 20:00

Onde assistir: Facebook e Youtube do Centro de Memória do CircoLinks: www.facebook.com/centrodememoriadocircosp/?_rdc=2&_rdr e www.youtube.com/user/memoriadocirco

Quando: 09 e 10 de outubro de 2021 (sábado e domingo) – Horário: 16:00

Onde assistir: Facebook do Teatro Alfredo de Mesquita Link: www.facebook.com/teatroalfredomesquita/?_rdc=2&_rdr

Quando: 16 e 17 de outubro de 2021 (sábado e domingo) – Horário: 16:00

Onde assistir: Facebook do Teatro Paulo Eiró – Link: www.facebook.com/teatropauloeiro

Quando: 24 de outubro de 2021 (domingo) – Horário: 16:00

Onde assistir: Facebook do Centro Cultural Vila Guilherme (Casarão) – Link: www.facebook.com/CCCasarao

Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini – Cel (11) 99568-8773 – lucigandelini@gmail.com

Fanfarrosas contam histórias para crianças no Facebook em parceria com bibliotecas da Zona Sul

De 14 a 16 de setembro de 2021 (terça a quinta-feira), as Fanfarrosas realizam apresentações da temporada “Fanfarrosas cantos e contos + CULTURA ONLINE”, que faz parte do projeto “BIBLIOTECAS ONLINE 2021” e tem o apoio da Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo, e convidam crianças e jovens a navegar pelo universo dos livros infantis e das canções populares.

No dia 14 de setembro (Terça-feira), às 18:00, o grupo apresenta “Ovosemente” no Facebook das Fanfarrosas e no da Biblioteca Chácara do Castelo, que fica na Vila Mariana, São Paulo. Inspirado na história Flora de Bartolomeu Campos de Queirós, o conto explora a origem da vida. 

Em 15 de setembro (Quarta-feira), às 18:00, a história “O aiai do Jacaré” será apresentada no Facebook das Fanfarrosas e no da Biblioteca Helena Silveira, que fica no Campo Limpo, São Paulo. O conto fala da importância da amizade e uma fase do desenvolvimento da criança, que é dolorida mas passageira.

E na quinta-feira, dia 16 de setembro, às 18:00, o grupo apresenta a história “Festa na Lagoa” que apresenta as peripécias de um Macaco que usa de muitas artimanhas para poder ir à uma festa de aniversário no fundo do mar. A apresentação será no Facebook das Fanfarrosas e no da Biblioteca Malba Tahan, que fica no Jardim Susana – São Paulo.

De forma poética, sensível e muito divertida, as Fanfarrosas trazem para o universo infantil temas complexos como as fases de desenvolvimento da criança e a urgência da preservação do meio ambiente, além de transitarem pelas sabedorias tradicionais.

O grupo de comicidade feminina Fanfarrosas é formado por Giovanna Paixão e Luana Caroline, duas multi artistas brincantes que pesquisam em seu trabalho a música, técnicas circenses, palhaçaria, confecção de instrumentos com materiais recicláveis e bonecos. 

Utilizando manipulação de bonecos e instrumentos de materiais recicláveis elas contam e cantam histórias, executando um vasto repertório com músicas das infâncias, MPB e ritmos como coco, ciranda, cacuriá e baião.  

Formadas no curso de Formação para Palhaços Jovens dos Doutores da Alegria – FPJ, as artistas também atuam como arte-educadoras. A dupla já realizou importantes trabalhos em formato presencial, passando por diversos espaços culturais, e também virtual, como a participação no Festival de Circo Online de São Paulo, realizado em 2020.

Mais informações em : www.facebook.com/fanfarrosas e www.instagram.com/fanfarrosas

FICHA TÉCNICA: Contadoras de história, manipuladoras de bonecos e musicistas: Giovanna Paixão e Luana Caroline | Aderecistas e bonequeiras: Luana Caroline e Giovanna Paixão | Figurinos: Fanfarrosas | Direção e Dramaturgia: Fanfarrosas | Fotógrafo e Videomaker: Jean Salustiano | Assistente de produção: Luana Caroline | Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini | Diretor de produção: Jean Salustiano | Produtora: Unité Produções

SERVIÇO: Temporada Fanfarrosas cantos e contos + CULTURA ONLINE

Com grupo Fanfarrosas

Classificação: Livre – Grátis – Duração: 40 minutos

Quando: 14 de setembro de 2021 – Terça-feira – Horário: 18:00

Onde: No Facebook das Fanfarrosas e da Biblioteca Chácara do Castelo – Vila Mariana, São Paulo – SP

Link para assistir: www.facebook.com/fanfarrosas e www.facebook.com/bibliotecachacara.castelo

História: “Ovosemente” – Sinopse: Dude é um ser que está sendo criado e vai nascer de algum lugar. Mas que lugar é esse? Um ovo, semente ou a barriga de alguém? Inspirado na história Flora de Bartolomeu Campos de Queirós, o conto explora sons, cheiros e sensações da origem da vida. 

Quando: 15 de setembro de 2021 – Quarta-feira – Horário: 18:00

Onde: No Facebook das Fanfarrosas e da Biblioteca Helena Silveira – Campo Limpo, São Paulo – SP

Link para assistir: www.facebook.com/fanfarrosas e www.facebook.com/bibliotecahelenasilveira

História: “O aiai do Jacaré” – Sinopse: Jacaroldo chorava por sofrer de dor de dente. Seus amigos da floresta tentaram ajudar, mas nada resolvia. Inspirado no livro “E o Dente ainda doía”, o conto fala da importância da amizade e uma fase do desenvolvimento da criança, que é dolorida mas passageira.

Quando: 16 de setembro de 2021 – Quinta-feira – Horário: 18:00

Onde: No Facebook das Fanfarrosas e da Biblioteca Malba Tahan – Jardim Susana – São Paulo – SP

Link para assistir: www.facebook.com/fanfarrosas e www.facebook.com/bibliotecapublicamalbatahan

História: “Festa na Lagoa” – Sinopse: O Peixe de Boa resolve dar uma festa de aniversário à fantasia convidando apenas os animais que sabem nadar. Seu vizinho Macaco Caco, é cheio das artimanhas e acaba inventando falsas promessas, criando uma baita confusão para ir à festa. 

Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini – Cel 99568-8773 – lucigandelini@gmail.com

Geleia com Artes marca comemoração de um ano do ZUD Café

e

Unindo arte e café no centro de São Paulo, o ZUD Café celebra seu aniversário de um ano recebendo o Geleia com Artes – um grande encontro cultural que reunirá artistas independentes das mais variadas linguagens, com entrada gratuita!

ZUD Café celebra aniversário de um ano com o encontro cultural Geleia com Artes

Uma cafeteria aconchegante com um cardápio saboroso, cafés especiais, pequenos produtores, espaço para boas conversas, música e incentivo à arte independente. A união destes e outros elementos especiais é o que define o ZUD Café, cafeteria localizada no bairro de Santa Cecília, que comemora seu aniversário de um ano em abril de 2019.

Instalada na Rua Barão de Tatuí, o charme do bairro, a cafeteria atrai um público misto formado por profissionais e amantes da arte, vizinhos e famílias. Além dos pets, que são sempre bem vindos.

Foto Pedro Orlando

Com um ar industrial, mas repleto de texturas, o ZUD Café abre espaço constantemente para artistas independentes exporem seus trabalhos, dando visibilidade às suas obras e conectando os frequentadores à diversas expressões artísticas. Uma proposta de experiência sensorial: o olfativo, tátil, a música, a visualidade do ambiente e das obras expostas.

Para marcar a celebração de um ano de Café e Arte Independente, o espaço recebe no dia 07 de abril de 2019 (domingo), de 10h às 19h, o Geleia com Artes – um encontro cultural que une diversas formas artísticas: exposições, performances e bandas de artistas independentes. O domingo contará com uma exposição coletiva de artistas que já expuseram no espaço anteriormente (Ahzulejo, Pedro Clash, T. Gregol, Galeria Gartin, Leonardo Finnoti, Daniella Origuela, Pedro Orlando, Well Rockers), performances solos (Marcelo Prudente e Luanah Cruz), shows com as bandas Sangue de Androide, Black Cold Bottles e 2 de seis, feira de arte e um momento pet, já que os animais são bem-vindos na cafeteria. Além de baristas convidados, com drinks especiais.

O Geleia com Artes é uma iniciativa dos artistas Pedro Orlando e Pâmella Cruz, também moradores do centro, que teve sua primeira edição em 2018, realizada no famoso Edifício Castelinho com mais de trinta artistas de diversas linguagens. O objetivo do projeto é criar parcerias que fortaleçam a vida cultural do centro de São Paulo.

Se você se interessa por café, arte e por bons encontros, se programe para participar do Geleia com Artes no ZUD Café. Link do evento: www.facebook.com/events/2048821765239263

SERVIÇO

Aniversário de um ano do Zud Café com Geleia com Artes

Quando: 07 de abril de 2019 (domingo)

Horário: 10h às 19h

Encontro cultural no ZUD Café com Feira de Artes: coletânea de trabalhos de artistas expositores e locais para venda, Momento Pet, Baristas convidados.

Apresentações Musicais:

Sangue de Androide – Surf Music, Psychobilly, Punk Rock, New Wave (Guarulhos/São Paulo)

Black Cold Bottles – Rock Alternativo (São Bernardo do Campo)

2 de seis – Instrumental – André Azambuja – violão e Guilherme Fagaraz – guitarra

Performances:

HOMOLU – Artista: Marcelo Prudente – A performance faz uma analogia ao ritual de cura e abertura de novos caminhos. A figura terá o corpo coberto de pipoca, se deslocando pelo espaço, em posições de agradecimento, festejando e cultuando a vinda de novas energias.

EXPERIMENTO 3(B): “AS FRONTEIRAS ENTRE O EU E O MUNDO” – Artista: Luanah Cruz – Borrões sobre ideias de afetividade e feminino, reflexão sobre a condição de existência de acordo com o imaginário do outro. Repetição do ato de beijar revelando formas e qualidades de Afeto/Contato e a (des)construção de um Rosto-Corpo feminino.

Exposição coletiva dos artistas que realizaram exposições durante um ano do ZUD Café

Ahzulejo – Interseção entre design, arquitetura e arte. Com essa inspiração, a Ahzulejo apresenta peças artísticas e modelos originais.

Pedro Clash – Fotografo, montador e curador independente. Fotografia de rua e autoral como séries. Integrante do Coletivo Cinza Jambo, tem trabalhos selecionados nas exposições InstaFoto no Hotel Galeria e Pinagram no Reserva Cultural. Selecionado no 5º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia (2014) e 9º Prêmio com a série Limite (2018).

T. Gregol –  Artista visual, escritor e músico. Explora a questão dos monstros, seres presentes em todas as culturas, mitologias e lendas, criando estados que não são objetivos ou lineares.

Galeria Gartin – projeto de galeria de arte itinerante das artistas Flávia Renata e Patrícia Espinozza. As fotos contam através do olhar, a poética do cotidiano, mostrando o que todos olham e nem sempre veem.

Leonardo Finnoti – Arquiteto e fotógrafo. Documentou obras importantes projetadas no Brasil, Portugal e América Latina, que aparecem vinculadas constantemente em vários meios da arquitetura. Mantém um site onde publica uma imagem nova diariamente, mantendo um acervo interessante, incluindo mais de 200 fotos da obra do arquiteto Oscar Niemeyer.

Daniella Origuela – é artista visual e tem fotografado a América Latina nos últimos 10 anos. Em Cuba, fez o trabalho “la patria puede contar conmigo”, sobre uma escola de boxe infantil. No Brasil, acompanha o trabalho do grupo antifascista “Boxe Autônomo”, que ensina boxe em ocupações. Tem trabalhos relacionados às mulheres imigrantes fora do Brasil e as  mulheres trabalhadoras latinas.

Participam ainda, os artistas: Pedro Orlando e Well Rockers

Endereço: Zud Café – Endereço: Rua Barão de Tatuí, 377 – Santa Cecília/ São Paulo

Mais informações: @zudcafe e @geleiacomartes

Contato: geleiacomartes@gmail.com
Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini – lucigandelini@gmail.com – Cel.: 99568-8773